Quase todo o município de São Francisco de Paula, na serra gaúcha, pode se transformar numa zona livre de aplicação de agrotóxicos, caso venha a ser aprovado o projeto do engenheiro agrônomo Amilcar José Mielniczuk de Moura, com o objetivo de evitar o avanço da contaminação dos arroios que desaguam no rio Santa Cruz, de onde vem a água para cidades turísticas como Canela, Gramado e Nova Petrópolis.  O Santa Cruz vai depois  alimentar o rio Caí.

Bacia Hidrográfica do rio Santa Cruz, contribuinte para o abastecimento público de água potável para as Comunidades de Canela e Gramado, delimitada na cor vermelha.( Fonte Google Earth, ano 2019 e reproduzido a partir do documento CRIAÇÃO DE ZONA LIVRE DE AGROTÓXICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA CONTRIBUINTE DO RIO SANTA CRUZ, EM SÃO FRANCISCO DE PAULA-RS).


O autor do projeto, funcionário da Secretaria de Meio Ambiente de Canela, propõe a transformação de uma área de aproximadamente  três mil quilômetros quadrados num espaço onde será proibido o uso de produtos agrícolas à base de substâncias químicas nocivas ao organismo humano. 

Sangas e pequenos riachos situados perto das lavouras de São Chico onde são usados agrotóxicos. A água destes riachos vai para os rios Santa Cruz e Caí. (Foto reproduzida do blog Historias do Rio Caí)

A proposta visa proteger também a vegetação nativa da região, que está sendo destruída pelo avanço de lavouras de batata, soja, milho e hortaliças, onde o uso de agrotóxicos é intensivo. Também animais que habitam os campos do planalto serrano como pumas, raposas, lebres e perdizes estão sendo dizimados por conta da contaminação de riachos e sangas situados perto das lavouras do agronegócio.

Apesar da preocupação com a saúde dos habitantes e visitantes da região, o projeto deve enfrentar uma série de obstáculos, como a resistência das empresas do agronegócio, da prefeitura de São Francisco de Paula e a dificuldade de harmonizar os interesses de vários municípios situados na área de bacia dos rios Santa Cruz e Caí.

Rio Caí já na parte baixa da serra gaúcha. (Foto reproduzida do blog Historias do Rio Caí)

Cerca de 65% da receita do município de São Francisco de Paula (São Chico) vem hoje dos impostos pagos pelo agronegócio da região, que será obrigado a rever o seu sistema de produção agrícola caso os agricultores da região sejam obrigados a trocar adubos e herbicidas tóxicos por produtos similares sem  o uso de produtos venenosos.

Cidades como Canela e Gramado, as principais beneficiadas pelo projeto de Zona Livre de Agrotóxicos na bacia do rio Santa Cruz, dependem de São Chico para evitar que a contaminação da água servida a moradores e visitantes acabe assustando os turistas, que fornecem a maior parte da arrecadação de impostos.  

O engenheiro Amilcar de Moura afirma que os promotores regionais do Ministério Público Estadual nas cidades ameaçadas de contaminação da água estão dispostos a pressionar conjuntamente para adoção de medidas restritivas no uso dos agrotóxicos.

Para Moura, o projeto de Zona Livre é a alternativa mais viável embora ele reconheça  ser impossível prever se, e quando, ela poderá se tornar realidade.